quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

2009 em revista


Assim vai a vida...


Estamos a poucas horas de terminar mais um ano, é tempo de lançar um olhar sobre mais uma página que nos preparamos para virar neste livro da vida que para uns tem carácter de romance enquanto que para outros se assemelha mais com um trágico drama.


Temos um País envelhecido, de desempregados, de sobre-endividados, estamos na generalidade muito apreensivos quanto ao futuro, sobretudo ao dos jovens.
A contariar a tendência do envelhecimento da população apenas a chegada de mais imigrantes, e o nascimento dos filhos destes; Mas será que estamos a saber receber condignamente esta gente que nos chega na esperança de reconstruir aqui as suas vidas e proporcionar um futuro melhor aos seus. Como costuma dizer-se, o importante não será dar-lhes o peixe mas sim ensiná-los a pescar.


O desemprego será sem dúvida outro dos principais problemas a enfrentar e resolver, dado que temos cada vez mais jovens licenciados que terminam os seus cursos e engrossam as fileiras dos desempregados, com a agravante de que não foi feito um estudo sobre que tipo de formação garantiria aos nossos jovens uma melhor saída profissional, que necessidades temos e quais as prespectivas de evolução. Temos hoje sobretudo recém licenciados na área das Ciências Sociais, o que pressupõe a sua integraçõo na área dos serviços, quando o que puxa pela economia são as áreas técnicas, nomeadamente as relacionadas com as novas tecnologias.


Estamos sobre-endividados ao nível das famílias e ao nível do País, sendo que a segunda representa o hipotecar das gerações futuras. Este é realmente tanto mais preocupante quando assistimos a uma desenvergonhada "fuga para a frente", com total desnorte dos nossos políticos em geral e dos nossos governantes em particular, mais preocupados com os seus negócios, em defender os seus interesses particulares, empresariais ou feudais, sem o mínimo propósito de trabalhar em prol das populações que os elegem e sustentam, esperando que os representem e defendam como era suposto acontecer.




A corrupção, os jobs for the boys, as negociatas pouco claras entre algumas empresas e o Estado, o enriquecimento ilícito, ou não justificado, a justiça diferenciada para ricos pobres, a crescente insegurança, e as "lutas" institucionais entre órgãos de soberania, são preocupações que transportamos para o novo ano

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal


Para todos os visitantes do Blog


...a importância de nos fazermos presentes uns aos outros

por: Laurinda Alves


e, já agora:
Façam o favor de ser felizes

como diria Raul Solnado

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Petição Nacional contra Reformas acima dos 5000 Euros

 http://www.PNETpeticoes.pt

Para aqueles que não concordam com as exageradas reformas acima dos 5000 Euros, uma boa oportunidade de, subscrevendo esta petição, dar a conhecer a sua opinião.
Uma petição implica a identificação do subscritor, mas esse não deve constituir um pretexto para deixar passar a oportunidade de contribuir para uma consciencialização dos órgão de poder relativamente ao escândalo que representa, hoje mais que nunca, a atribuição de avultadas reformas a quem menos delas precisa.
A crescente divulgação dos inúmeros casos de corrupção, a indigitação de políticos desalojados dos seus cargos para administrações de empresas públicas ou que negoceiam com o Estado, os prémios pagos por desempenho a directores de bancos, que depois vimos a constatar serem meras falcatruas contabilísticas,  vem reforçar a ideia que esta gente não merece de forma alguma as chorudas reformas que acabam por conseguir.
Se de facto não queremos que este estado de coisas continue, se não queremos que estes comportamentos passem impunes, cabe a cada um de nós manifestar o seu descontentamento.
Ninguém deve ser premiado por mau desempenho, e, estes "Senhores" têm arruinado o nosso País e contribuido dessa forma para a degradação das condições de vida de todos nós.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Vigilância Pública


Direito à Privacidade


Desde há muitos anos que me habituei a ver nas principais Cidades Europeias, câmaras de vigilância, e não me consta que tenha resultado daí perda da privacidade dos cidadãos, mas antes um aumento do sentimento de segurança de uns e de dissuasão de outros.
Apenas a título de exemplo, uma das ruas principais de Roterdão, pela extensão e pelas características sociais dos moradores, até então exaustivamente patrulhada sem grande sucesso, recebeu as ditas câmaras (redondas com um raio de acção-vigilância de 360º) nos locais mais críticos, cruzamentos, lojas de conveniência, clubes nocturnos e bares, superando o resultado todas as expectativas.
Claro está que para que seja eficiente há que preparar todo um plano de actuação, ter agentes bem formados (com excelente compleição física, e treino para enfrentar situações de grande perigosidade), para que ao mínimo sinal de desordem pública fornecido pelas imagens que recebem possam chegar em tempo útil. Assim acontece, e a zona continua a ser igualmente frequentada sem qualquer retracção pelo facto de estar a ser vigiada, atrever-me-ia até a dizer que haverá quem tenha perdido o receio de por ali andar, justamente por se sentir agora mais protegido.
O ditado diz que "quem não deve não teme"
Não quero acreditar que as imagens recolhidas tenham qualquer outra finalidade.
E, depois do controle a que já estamos sujeitos pelas vias verdes, pela utilização de telemóveis e de cartões de débito e crédito, que mais dá se isso nos trouxer alguma segurança.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Ciência - Alzheimer - Estudos

Ciência - Estudo sugere cafeína como forma de combater Alzheimer
Estudos apontam o consumo de cafeína como forma de combater o Alzheimer, evidentemente que haverá que ter atenção aos efeitos da cafeína noutra patologias, nomeadamente a hipertensão arterial.
Leia a notícia completa da Folha Online

sábado, 12 de dezembro de 2009

Mercantilismo do Natal


Interesses puramente comerciais adulteraram o significado das prendas de Natal, que desde logo fazem muito mais sentido oferecidas por altura dos Reis, como fazem os nossos vizinhos Espanhóis, "altura em que chegam os Reis Magos com as oferendas ao Menino"
Pois bem, aqui está o essencial da questão as prendas eram para o Menino, não consta que nada fosse dirigido aos progenitores.
As novas técnicas de vendas, ou marketing criaram a imagem do Pai Natal e generalizaram as ofertas, tornando-as num mero acto de troca de presentes, sem significado. Pior que isto, passaram a dirigir-se a um público alvo facilmente influenciável pelas insistentes campanhas, utilizando muitas vezes técnicas verdadeiramente censuráveis quer pelo aliciamento quer pelos métodos de apresentação do produto.
Não colhe, a desculpa das leis de mercado para justificar que num horário nobre sejam repetidos anúncios dum qualquer produto que induza à violência, como alguns bonecos ou jogos.
As crianças hoje recebem tudo aquilo que pedem, e mais, porque há que surpreendê-los.
Não valorizam aquilo que lhes chega às mãos com facilidade, e como tal tornam-se eternos insatisfeitos, e assim crescerão.
Queremos compensá-los pelo tempo que passamos de menos com eles, por serem filhos de pais separados; queremos acertar contas com o passado e dar-lhes aquilo que nos faltou, ou, também acontece, para expiar as nossas faltas "de amor, de carinho,de atenção e que mais..."
A vida está difícil mas eles são quem menos culpa tem
desculpamo-nos então...

Doenças do nosso tempo


Alcoolismo



Nos tempos dos meus avós brincar ter uma infância era algo que poucos sabiam existir, porque a maioria das crianças daquele tempo começavam a trabalhar ainda antes de terminar a instrução primária, outros nem acesso a isso tiveram, porque havia que contribuir para o próprio sustento.
Com os tempos as coisas foram melhorando, e, nas duas últimas gerações entendeu-se que a formação universitária era imprescindível para assegurar algum sucesso na vida.
Hoje as famílias endividam-se para mandar os filhos transmontanos estudar para Portalegre ou Beja e vice-versa.
Fora do olhar dos seus, e, em ambientes completamente diferentes dos seu habitat natural, esta juventude, na sua grande maioria, dá largas ao entusiasmo natural de quem quer abraçar o mundo e viver a vida o mais intensamente possível e parte num barco que os leva muitas vezes a enfrentar grandes e inesperadas tempestades.
Os nossos jovens dispõem hoje de condições extraordinárias, que lhes podem proporcionar uma vida universitária bastante facilitada, senão veja-se o que se pode fazer em casa frente a um computador com internet, e compare-se com o tempo interminável que se passava em consultas nas bibliotecas e na compilação do material conseguido, isto e muito mais, que as novas tecnologias trouxeram deixa uma infinidade de tempo livre extra, que nem sempre é utilizado da maneira mais produtiva.
O Alcoolismo não é uma dependência exclusiva dos novos tempos, já Salazar dizia que para que o povo viva contente há que dar-lhes vinho, futebol e fado;
O que me parece mais preocupante é que uma geração muito mais bem informada, se deixe embrenhar nas teias duma doença que está a atingir níveis alarmantes justamente no seio da população estudantil;
A falta de objectivos, talvez pela incerteza reinante quanto ao seu futuro profissional, a falta de referências na sociedade relativamente ao sucesso dos melhores, daqueles que mais se esforçaram, por troca com os mais apadrinhados, mais poderosos, ou menos escrupulosos, baralha as prioridades dos nossos jovens.
Na certeza porém, o seu futuro depende da capacidade que tiverem para mudar o rumo dos acontecimentos, e do empenhamento com que o fizerem, porque...
O futuro prepara-se agora

domingo, 6 de dezembro de 2009

Portimão


Novos hábitos de mobilidade



Na sequência da evolução e modernização a que já nos acostumou, a Autarquia de Portimão prepara um importante passo com vista à utilização da bicicleta como transporte alternativo e de ligação com os terminais de transportes públicos.
Serão dispoonibilizadas bicicletas de uso comunitário, com características adequadas a pequenos transportes "compras por exemplo".
A ideia será criar novos hábitos de mobilidade, libertando a cidade da poluição provocada pelo uso do automóvel em pequenas deslocações, e, nas deslocações até aos terminais, incentivando o uso do transporte público.
Estamos em crer que poderão, desta forma, criar-se rotinas que impulsionarão o uso da bicicleta com os conhecidos benefícios daí resultantes.
O futuro começa a preparar-se hoje, e a edilidade Portimonense demonstra, mais uma vez, estar apostada em fazer de Portimão uma Cidade moderna, com qualidade de
vida!

Portimão - Comemorações do Dia da Cidade

 Portimão comemora os 85 anos da elevação a cidade, veja a informação completa e o programa no portal da Câmara
Comemorações do Dia da Cidade


quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Natal

Festa da Família


O Natal é um tempo mágico, de reunião da família, sobretudo para aqueles que a vida separa, pelos mais variados motivos, ao longo do ano, para os nossos Emigrantes a oportunidade de voltar ás suas origens de matar saudades dos seus; esperam-nos o azeite novo, os vinhos, os presuntos e os queijos que os irão reunir à mesa.

Paralelamente foi-se enraizando o hábito das compras, dos presentes, mera troca, muitas das vezes, sem qualquer significado, e visto por muitos como uma futilidade.

A pobreza encapotada, faz com que esta seja para muitos uma época de grande amargura, por lhes ser cada vez mais difícil conseguir apresentar uma mesa farta como era tradição, e, isto para os que não perderam entretanto os seus empregos, ou viram os seus subsídios adiados.

Temos ainda uma falsa classe média, que não querendo perder o status, se endivida, utilizando o dinheiro de plástico, porque afinal é Natal, e os seus não têm culpa da crise.

Enfim, este Natal, será o reflexo do ano que vivemos, e das apreensões com que olhamos o futuro.

Como a esperança é sempre a última a morrer, acreditemos que o novo ano nos proporcione tempos melhores.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

PORTIMÃO: Município já tem certificado de qualidade - Observatório do Algarve

PORTIMÃO: Município já tem certificado de qualidade - Observatório do Algarve
O trabalho desenvolvido pela Autarquia de Portimão relativamente à desburocratização, entre outras vertentes de serviço de qualidade prestados às suas populações, rende-lhes a certificação, e o reconhecimento geral dos munícipes.

Pobres Arrogantes

Queres ver um pobre arrogante dá-lhe a chave de um palheiro


Todos nós nos cruzámos alguma vez com pessoas simples, iguais a tantas outras, que, por mero acaso, porque tiveram oportunidades que outros não tiveram, porque subiram ás costas de alguém, ou porque sei lá, não interessa, aparecem num patamar diferente, em posições de comando, de direcção, ou de pura chefia temporal;

Aqueles que então eram os que mais reivindicavam os seus direitos, que sempre achavam que bastava trabalhar o suficiente para corresponder ao pouco que lhe pagavam, que eram os primeiros a descortinar nos seus chefes os piores defeitos, como a falta de consideração pelo trabalho e pelo esforço de produtividade que cada vez mais se exige ao trabalhador;

Tornaram-se rapidamente nos piores abutres, defensores do patronato, sempre desconfiados, por saberem das suas manhas antigas, enfim os carrascos daqueles que muitas vezes contríbuiram, ou ainda o fazem, para que possam ocupar a tal posição de destaque que os cega de vaidade.

Esquecem-se contudo que o mundo é redondo, e gira sem parar, e que as contas acertam-se cá deste lado!....

sábado, 21 de novembro de 2009

Portimão


Turismo de 3ª. Idade



A terceira idade, é vista em Portugal como uma franja turística menor, talvez por pensarmos no pouco poder de compra dos nossos reformados, o que não deixa de ser uma realidade preocupante, mas, existe uma boa percentagem de gente idosa que gosta de fazer férias de inverno, por ser uma época mais calma, tendencialmente mais barata e com temperaturas mais amenas. Se a este grupo de portugueses juntarmos os oriundos do Norte da Europa, temos uma clientela satisfatória que poderia ser atraída a gozar as suas férias entre nós.
Sabemos que são turistas com exigências especiais, de mobilidade, de assistência médica e de enfermagem, por isso haverá que dotar as unidades hoteleiras com essas condições e serviços específicos de qualidade.
Manter-se-iam uns quantos postos de trabalho, num período de época baixa, e evitar-se-ia o encerramento de unidades hoteleiras mantendo taxas de ocupação que justifiquem o seu funcionamento.
Promover pode ser entendido como acolher bem, para que nos divulguem e se fidelizem quantos nos visitem e disfrutem das condições excepcionais que lhes oferecemos.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Cruzada contra a vacinação Gripe A

Cruzada contra a vacinação Gripe A

Na sequência do que vimos alertando relativamente a este assunto, confirmam-se as piores expectativas, infelizmente, no caso de fetos cujas mães, certamente com intenção de os proteger, se quiseram vacinar.
As notícias no DN

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Portimão debate Tráfico de Seres Humanos

Entre hoje e Sábado vai estar em debate o tema do tráfico de seres humanos, entre outros já aqui abordados no blog, com um enquadramento, que me parece de grande oportunidade, relacionando-o com a criminalidade em geral, e vulnerabilidades da imigração
 Veja a notícia do destak.pt

Sete Vezes Sete


Cronologia da Vida


A vida desenrola-se em ciclos de sete anos.
Aos sete anos damos o primeiro passo em direcção à aprendizagem, abandonamos a fase das brincadeiras a tempo inteiro, começamos a entender o que são responsabilidades, horários, deveres, somos confrontados com um mundo até então desconhecido, mas fascinante; entramos para a escola do ensino básico.
Aos Catorze sentimos uma pressa imensa de viver, de crescer, a sexualidade toma contornos mais claros, a personalidade assume o papel da maqueta, ainda a tempo de alguns ajustes. Entramos definitivamente no processo educacional e de formação.
Aos vinte um estamos prontos do ponto de vista da nossa preparação, era nesta fase que normalmente se cumpria serviço militar, o que significava um enorme volte-face na vida de muitos e uma nova oportunidade na de outros tantos. Sentimos que o mundo gira à nossa volta, temos a cebeça cheia de projectos, e energia de sobra para levá-los avante.
Aos vinte oito definitivamente os estudoos ficaram para trás, a vida laboral começa a estabilizar, era então tempo de casamento, hoje mais de união de facto. Outra meta, para a grande parte, alcançada.
A família crescerá então, e, com ela as responsabilidades.
Aos trinta e cinco acontece normalmente uma de duas coisas, ou a consolidação das carreiras profissionais, ou, ao invés, a última tentativa de encontrar aquele emprego que nos traga relaização pessoal, e, se ajuste à formação e experiência adquiridas.
Aqui acontecem grande parte dos divórcios ou separações.
Aos quarenta e dois damo-nos conta de que já não somos mais jovens, começamos a ter receio do dia de amanhã, relativamente ao emprego, à família, preocupações com a saúde, com as inseguranças no geral, porque já não temos a mesma energia para recomeçar tudo de novo.
Aos quarenta e nove sentimo-nos perdidos, não estamos velhos mas parecemos, não somos inúteis mas acham-nos, a experiência e sabedoria acumuladas são quase sempre ignoradas, já não somos desta era. Continuamos a sonhar, mas agora. com algo melhor para os nossos filhos e netos.

domingo, 8 de novembro de 2009

O Amor como motor da vida

A felicidade do ser humano depende de alguma forma da sua capacidade de amar.


Partilhar o que de melhor a vida nos oferece, e ter quem esteja do nosso lado nos piores momentos é certamente o desejo de todos.

Nascemos, em condições ditas normais, fruto do amor entre duas pessoas que se amam, e, que desejam o melhor do mundo para os seus filhos; depois as contrariedades e as dificuldades por cada um vivenciadas é que vão determinar aquilo em que nos tornamos.

Por vezes, essas vivências não correspondem às nossas expectativas e deixam-nos marcas, que adquirem diferentes padrões consoante a forma mais ou menos adequada que adoptamos lidar com o problema. De qualquer maneira teremos que ser sempre os primeiros a gostar de nós, a aceitarmo-nos, a tentar lidar com as nossas limitações e, sobretudo a potenciar as nossas qualidades.

Os anos trazem experiência, e ajudam-nos a olhar para trás e aprender com os erros, os nossos e os que não o sendo, influenciaram o nosso percurso de vida.

Ninguém gosta de viver só, mas muitos são os que dificilmente se adaptam a outra realidade por não terem vontade de ceder, por não acreditarem mais no outro, resultado quantas vezes de experiências mal sucedidas ou mesmo frustrantes. A promiscuidade que está ligada a situações de insegurança e instabilidade emocionais, atira o ser humano para um estado de insatisfação e revolta muitas vezes sem retorno.

O amor não se procura, encontra-se; Estamos mais disponível para amar aqueles que sentimos que nos amam, fomentá-lo será a melhor forma de colher de volta a nossa sementeira,

Mesmo quando percebermos que não fomos totalmente correspondidos, poderemos sempre rever a qualidade da semente.

sábado, 7 de novembro de 2009

Portimão - Oferta turística



Portimão dispõe de condições excepcionais para receber turismo de qualidade, mas, para isso tem que haver um investimento na divulgação e promoção junto de um público alvo defenido. Ora, para mim que sou um leigo na matéria, apostaria em direccionar esse trabalho para os Países do Norte da Europa, primeiro porque são aqueles que já representaram a grande fatia do bolo em tempos, segundo porque são os que têm uma cultura turistica que os enquadra no que de melhor temos para oferecer, e ainda porque existem comunidades que se fixaram entre nós, e que funcionam como o nosso melhor cartaz. Esta gente podia incusivamente ser connvidada a participar em acções nos seus Países de origem.
A germinação entre cidades pode também ser de grande utilidade e criar protocolos e acordos de entre-ajuda a vãrios nìveis.
Quanto á promoção entendo que esta deveria ser feita sobretudo junto das principais associações sócio-profissionais dos públicos que se pretendem cativar, e óbviamente junto das associações de estudantes, importante meio de divullgação
Não podemos escamotear o facto de em épocas de crise haver uma classe social média-alta que viaja sempre, e uma classe média formada por executivos e directivos que sente necessidade de o fazer para sair da rotina e aliviar tensões diárias acrescidas.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Prostituição



Tida por alguns como a mais velha profissão do mundo, a sociedade teima em virar a cara ao fenómeno, como se não abordando o tema, fingindo que não se vê, um dia, tudo se resolvesse.
Trata-se de um assunto demasiado sério, que necessita ser encarado com realismo, sem falsos moralismos. Haverá que regulamentar esta prática, dando-lhe estatuto de actividade ou profissão, tomando como exemplo o que acontece noutros Países, como a Holanda, onde esta gente não tem que andar nas ruas, tem controle médico-sanitário, paga impostos e tem condições de segurança.
Desta forma estariam acautelados os vários interesses, pagar impostos e segurança social deveria ser obrigação de todos, em função dos rendimentos auferidos independente da profissão, sem excessões, como vergonhosamente acontece com os jogadores de futebol.
Por outro lado, em termos de saúde pública, seria mais fácil evitar o contágio por doenças sexualmente transmissíveis.
Igualmente importante seria a independência destas mulheres relativamente a parasitas exploradores, quer se trate de "namorados" ou mafias organizadas.
Evidentemente que para isto é necessário haver coragem política para tratar um assunto que para muitos é considerado uma chaga social, enquanto para outros é como uma doença incurável, e para outros ainda, um enorme tabú.

A Prostituição pode ser encarada como uma terapia de cariz social

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Portimão - A outra face do desenvolvimento




Há dias escrevi sobre este assunto noutro Blog, abordando a questão do ponto de vista da insegurança e marginalidade que estão associadas aos processos de desenvolvimento. A deslocação de mão de obra primária mais barata por altura das grandes obras, está invariávelmente ligada ao crescimento de nichos de trabalhadores estrangeiros, a viver em condições sub-humanas de alojamento e de ambiente familiar. Estes trabalhadores auferem ordenados inferiores aos de um trabalhador nacional, mas ainda assim, considerávelmente superior ao que poderiam conseguir nos seus Países de origem. Criam-se aqui duas situações:
Exploração por parte dos Empresários, relativamente a estrangeiros em situação laboral de carência, por falta de fiscalização adequada e que faça respeitar os direitos dos envolvidos;
Instabilidade social, dificuldades económicas e de integração desta gente que chegou até nós com o sonho de refazer aqui a sua vida, que acabam, mais tarde ou mais cedo, por trazer a família.
Com a recessão mundial, muitos dos projectos foram adiados, outros protelados, serão feitos, mas faseadamente de acordo com as disponibilidades
Adiados ficam também os sonhos daqueles que terão cada vez mais dificuldade em manter o seu trabalho, única fonte de rendimento para sustento das famílias, quer sejam Portugueses ou Estrangeiros
Fecha-se uma porta, abre-se uma janela..
A da marginalidade,e da prostituição... Pura sobrevivência.

sábado, 24 de outubro de 2009

Cruzada de Alerta - Vacinação Gripe A

A forma como os meios de comunicação tratam o assunto da Gripe A e agora das campanhas de vacinação é no míimo estranha. Tantas cautelas, tanta necessidade de deixar implícito nas notícias de que não há provas de relação causa-efeito da administração das vacinas e resultados nefastos na saúde dos vacinados.
Estamos em presença de 100 casos, seis dos quais classificados como graves, ou importantes, só no que diz respeito à Suécia, por favor então isto não é preocupante?
Então e, como é possível não se saber o número de pessoas efectivamente vacinadas, ou será uma omissão premeditada para não alarmar a opinião pública?!!
Vamos aguardar mais uns dias e comparar com os resultados da vacinação nos outros países nomeadamente em França, onde já começou.
Veja aqui a notícia do DN, carregue no link abaixo.
Morte 12 horas após vacinação

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Sem Favores

Os Bancos, como qualquer empresa, se não forem bem administrados, são ainda mais vulneráveis em alturas de crise.
Neste caso, como já disse alguém. Os Bancos devem um pedido de desculpas ao mundo, porque a crise começou por ser financeira e arrastou consigo todos os sectores da economia,e,é o resultado de negócios especulativos e de "jogos" bolsistas.
Mas isto são considerações, por demais conhecidas.
O importante desta notícia é perceber que nos países desenvolvidos, como é o caso da Holanda, não existe tratamento de favor para os bancos nem para os banqueiros

Clique em baixo para ver a notícia DN
Holandês DSB entra em falência - Economia - DN

domingo, 18 de outubro de 2009

Legado miserável

A maior herança que minha geração deixará para seus filhos é a fome e a miséria, que cresce com a mesma velocidade que o ego dos homens.

                    Wilian Jañez

sábado, 17 de outubro de 2009

Luta Contra a Pobreza

A solidariedade de cada um de nós pode sem dúvida ser muito importante, sobretudo em momentos de crise como os que vivemos. Cada pequena contribuição pode fazer a diferença para quem está de facto necessitado.
Contudo põe-se uma questão importante que é saber se aquilo que, por vezes com esforço, nos dispomos a partilhar, chega de facto às mãos dos necessitados. Casos há de peditórios feitos com determinados fins, nomeadamente comida e roupas que ficaram a apodrecer em armazéns por falta de condições logísticas para os enviar aos países de destino.
Quer, no entanto, parecer-me que cabe aos Governos o principal papel no que respeita à solidariedade social, e no caso concreto, à luta contra a pobreza, em muitos casos contra a fome.
Os contribuintes, todos nós, os que agora necessitam também , já estamos obrigados a contribuir, já pagamos os nossos impostos.
Caberia pois ao Estado ser mais solidário, gastando menos no supérfluo para disponibilizar mais meios de combate a este flagelo.

domingo, 11 de outubro de 2009

Autárquicas em Portugal

Mais uma vez fica provado pelos resultados eleitorais que o Povo vota nos candidatos e não nos partidos políticos. Praticamente todos os que se apresentaram a reeleição, com trabalho feito em prol das comunidades viram os seus projectos sufragados, e são agora responsáveis por continuar o trabalho desenvolvido.
Destaque para Manuel da Luz à frente da Câmara de Portimão que vê o seu trabalho exemplar premiado com uma maioria absoluta.
Também Mata Cáceres em Portalegre terá a responsabilidade de continuar a zelar pelos destinos daquelas populações que continuam a acreditar na possibilidade de fazer algo mais por uma região cada vez mais pobre, envelhecida e esquecida.
Congratulo-me por estas duas reeleições pelas mesmas razões: Trabalho feito, capacidade de inovação e determinação em criar melhores condições de vida para as suas populações.
Portugal precisa de políticos assim!!!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Os Bancos, O Estado e o Cidadão

Os Bancos Portugueses na sua generalidade foram mal administrados, fizeram negócios ruinosos, não foram devidamente fiscalizados, isto parece ser unanimemente aceite como uma verdade incontornável.
O Estado Português veio então em socorro daquelas instituições bancárias, não percebi ainda esta designação, porque são empresas como as outras, salvo se, pelo facto de serem taxadas em IRC abaixo das restantes, ganham estatutos diferentes no tratamento, o que também já sabemos que é verdade. É verdade mas não é certo, nem justo,  nem aceitável, muito menos quando sabemos que os mesmos directores/administradores receberam fortunas pelo seu péssimo desempenho, e sabemos porquê, porque forjavam os resultados, através de "engenharias" contabilístico/financeiras.

E, não se passa nada injectam-se uns milhões, do dinheirinho dos contribuintes para resolver o problema. Endividam-se os pobres para salvar os ricos.
Já o cidadão comum que por qualquer motivo geriu mal a sua vida,ou o seu negócio, ou ainda, que se viu cair numa situação de desemprego não pode contar com ajudas de ninguém. Pelo contrário, agilizaram-se os procedimentos para que seja penhorado o mais urgentemente possível.
Mas que País é este? que gente é esta que comanda os nossos destinos desta forma tão desigual, desumana, e tão pouco solidária?
A GNR teve de intervir com um valor superior a Sete milhões de euros para ajudar os seus quadros em situações de endividamento, perfeitamente de acordo.
E, a nós quem nos ajuda?
De onde vem os 7,4 milhões de euros?, dos nossos impostos claro...
Todos percebemos que este estado de coisas não pode continuar...

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Poderia Viver sem Internet?

Poder podia mas não seria nunca a mesma coisa...
Sem dúvida, antes de conhecermos algo, passamos bem sem isso, não podemos sentir falta de nada que desconhecemos existir.
Mas quando se trata de equacionar se poderíamos viver sem alguma coisa que nos facilita a vida, que nos agiliza a comunicação, com os nossos e com o mundo, que nos permite sentirmos-nos informados, acompanhados e sobretudo entretidos de forma produtiva nas horas de ócio, dificilmente alguém abriria mão desse sentimento de "segurança" e, de independência, sem um enorme sentimento de perda e desnorte.

Foi assim mesmo que descobri a importância que tinha este assunto na minha vida, durante o fim-de-semana sem acesso a internet.  

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Os Meus, os Teus e os Nossos Filhos

Os novos tempos trouxeram consigo novos modelos de família, fruto de novas  realidades sociais e distintas formas de encarar a instituição casamento a elas subjacentes.
Assistimos à libertação da mulher, à aceitação da realidade que constitui a igualdade de oportunidades independentemente do sexo. As mulheres tomaram consciência dos seus direitos e aprenderam a ser mais exigentes no que respeita ao seus cônjuges, companheiros ou maridos.
Esta evolução fez disparar o número de divórcios, até então mal visto socialmente, e humanizou-o, no sentido em que permitiu desmontar a ideia feita do compromisso para a vida, passando ao novo conceito de se não nos entendemos mais vale separarmos-nos.

È então que passam a multiplicar-se os casamentos ou uniões de facto entre casais de divorciados.
Uma boa parte trazem consigo os filhos de casamentos anteriores, e para selar o amor entre eles geram novos seres. Temos assim os meus, teus e nossos filhos.
Já não era tarefa fácil aos pais educar filhos de ambos, imagine-se agora com todas as condicionantes exteriores (influência do progenitor ausente) , acrescido do facto de haver naquelas vidas alguém estranho, que ocupa o lugar de seu pai ou mãe?!
Não há regra sem excepção, e obviamente que nalguns casos o ambiente familiar pode até melhorar, mas subsistirá sempre, em alturas de crise, a habitual "tu não és meu pai ou minha mãe", não te metas...

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Estado " Mau Pagador" e, Exigente Cobrador

O Estado Português, de modo geral é mau pagador, isto é não cumpre com os prazos de pagamento.

Num claro e, inequívoco, desrespeito pelo funcionamento da economia, as instituições do Estado atrasam-se no pagamento das suas obrigações, quer no que diz respeito a facturas de bens ou serviços adquiridos, quer nos subsídios e subvenções a que está contratualmente obrigado.
Obviamente que daqui resulta estrangulamento na economia, porque ao não receber atempadamente, estas Empresas atrasam elas também os seus pagamentos, aos seus fornecedores e muitas vezes, mais preocupante aos empregados. Está criado o efeito de bola de neve.
Se, a tudo isto juntarmos o facto de estas empresas ao emitirem as facturas, que depois não cobram atempadamente, criarem a obrigação de entrega ao Estado do IVA, temos criado um problema acrescido de tesouraria.
Agora veja-se o que acontece do lado do Estado relativamente às cobranças que efectua, quer se trate de Impostos Taxas, Emolumentos, Multas:
Os Impostos que não sejam pagos dentro do prazo implicam pesadas multas e juros de mora, sendo que o IRS é cobrado com antecedência e restituído (quando é caso disso) tardiamente. As tabelas anuais são preparadas de forma a que em condições normais o Estado arrecade sempre um valor superior ao da liquidação, pelo que feitas as contas o Estado financia-se com o dinheiro dos contribuintes.
Já no que respeita a outras taxas, emolumentos e multas a tendência é que o seu pagamento tenha que ser feito no acto, ou mesmo antes da prestação do serviço. 

domingo, 30 de agosto de 2009

Gripe A - Pandemia ou Pandemónio - Vídeo

Fonte: Fórum NossoGrupo

Gripe A - Pandemia ou Pandemónio

Trata-se de um assunto de Saúde Mundial, que por isso mesmo, requer alguns cuidados nas abordagens que lhe são feitas.
Contudo, as informações disponíveis na Internet convidam-nos a uma profunda reflexão sobre tudo o que está por detrás da informação ou desinformação que nos é disponibilizada constantemente pelos nossos Órgãos de Informação e até mesmo por parte da OMS e da ONU.
É exactamente por isso, que considero importante deixar aqui alguns links que fornecem informação alarmante sobre este delicado assunto:
E, ainda o conteúdo do Fórum Nosso Grupo:
Bem, agora por favor dispensem algum do vosso tempo a consultar esta informação para poderem formular uma opinião mais esclarecida, que obviamente vos convido a partilhar aqui, se assim entenderem.
Para mim o mais importante é que não deixemos vacinar os nossos filhos, os nossos familiares, explicando-lhes porquê, e, redobrar os cuidados de higiene, e , ainda evitar a presença em lugares de potencial contágio que possamos evitar sem maiores transtornos para a nossa vida.
 

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Porque Hoje é Sexta-Feira

Sexta-Feira foi desde que se instituiu a semana inglesa o dia mais desejado pelos trabalhadores, passando a ser igualmente ansiosamente esperado pelos patrões embora por diferentes razões;

Para os trabalhadores:

- "nunca mais é sexta, esta semana estou exausto"
- "finalmente é sexta estou de fim de semana"

De volta a vida social e familiar sim porque alguns, ao longo da semana, saem de casa e despedem-se com uma vista de olhos aos filhos, que muitas vezes ainda dormem, voltam a vê-los no final do dia, depois do pesadelo dos transportes públicos ou das filas intermináveis.
Uns embrenhados em preparar o dia seguinte, fazendo -os trabalhos de casa- denominação abusiva para uma panóplia de matéria que por falta de tempo não lhes foi ministrada e explicada convenientemente na escola. Muitas vezes nem sequer aflorada. Evidentemente que para aqueles com mais dificuldades de aprendizagem, e sem recursos económicos para pagar um explicador, esta situação há-de afoga-los em dúvidas que os atirará para o grupo dos mal sucedidos
Enquanto outros, os pais, esgotados do seu dia de trabalho têm pouca disponibilidade para ajudar nessa tal missão de preparar os filhos em casa, sendo igualmente verdade que uma grande parte não possuem conhecimentos para tal. A tudo isto há que acrescentar a labuta das Mulheres trabalhadoras fora do lar (quase todas)que têm ainda que arcar com todas as tarefas domésticas.
Com este tipo de vivências, a que há ainda que juntar as preocupações com falta de dinheiro suficiente para fazer face às despesas elementares, como poderemos esperar que: Os Jovens sejam bons estudantes, os Pais trabalhadores empenhados, motivados e produtivos. Pior que isso, como podemos pedir a esta gente que vive na corda bamba que não consuma drogas, alcool, e comprimidos para adormecer, que pague impostos e não espere do Estado uma contrapartida???

Para os Patrões

Sexta-feira passou a ser também um dia especial, porque:

- Ao fim-de-semana os Bancos estão encerrados não têm o Gestor de Conta a ligar avisando que a Conta está a descoberto;
- As finanças também não trabalham por isso é pouco provável que apareçam a fazer-lhes uma penhora;
- Para muitos -comércio e restauração- são dias de fazer algum negócio;
- Para outros, dias de descanso, em que não acumularão mais prejuízos

Claro está que este texto se refere a pessoas normais, que vivem do seu trabalho, ou negócio.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Políticas de Fiscalidade

O Estado tem a função de cobrar impostos, ao contribuinte individual, relativamente aos seus rendimentos de trabalho, capitais, consumo entre outros menos importantes ao cidadão comum, com a intenção de fazer a sua redistribuição, ou seja facultar melhores condições de vida, educação, saúde,e bem estar social de uma forma geral

Agora vejamos o que na verdade sucede:
Os trabalhadores por conta de outrem estão sujeitos a taxas obrigatórias, escalonadas de acordo com o rendimento mensal e o seu agregado familiar;
Vêm mensalmente retido o imposto devido e no final do ano fiscal entregam a sua declaração de rendimentos, sobejamente conhecidos, da administração fiscal, uma vez que as empresas estão obrigadas a declarar os rendimentos pagos ou postos à disposição de todos os seus trabalhadores ou colaboradores.
Já os trabalhadores por conta própria, aqui se incluem (Engenheiros,Arquitectos, Advogados, Médicos, Economistas, etc.) serão taxados pelo resultado apresentado.
Significa isto que temos duas qualidades de contribuintes, esta gente tem um sem número de despesas contabilizáveis e aceitáveis como custo, que são nem mais nem menos que tem um trabalhador normal, que não pode deduzi-las, pelo menos equitativamente. Como se isto não fosse suficiente temos que todas estas classes profissionais não tem qualquer controle (fiscalização entenda-se)quanto à emissão de documento de quitação no momento em que lhes pagamos um serviço. Não emitindo documento não há lugar a pagamento de IVA nem de IRS. Quantas vezes não somos confrontados com o desplante da exigência de um valor superior pelo facto de exigirmos o tal Recibo?!
De notar ainda que o tratamento dispensado a estes "senhores" em caso de incumprimento das suas obrigações fiscais é distinto conforme o status social. Podem ainda pagar experimentados Advogados que conhecem os furos da lei e a melhor forma de conseguir defende-los.
Como nota final realço ainda o facto de a redistribuição ser apenas de uma parte dos nossos penosos impostos uma vez que a pesada e ineficiente máquina do Estado absorve parte significativa desse dinheiro, e outra boa parte ser desperdiçada em operações de "nacionalizações" de interesse duvidoso salvando bancos mal administrados e, permitindo o pagamento de chorudas indemnizações e outras regalias "vergonhosas" e "insultuosas" para o vulgar contribuinte

sábado, 22 de agosto de 2009

Portimão

Câmara Municipal de Portimão: "2009-08-18 a 2009-08-23
Portimão recebe, pelo terceiro ano consecutivo, o circuito líder de regatas mundiais, este ano com a novidade de juntar duas classes: a TP52 e a GP2. O Circuito Audi MedCup representa, hoje, o topo do desporto da vela, atraindo os melhores desenhadores, velejadores e técnicos."

Carregue no link e veja outras actividades

Guga & Tim

Narsas Team
Os nossos heróis

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Pinóquio

Um dia a história escrever-se-à
e perceberemos que tal como Pinóquio ensinou meninos a ler sem nunca ter verdadeiramente aprendido...
Também esta figurinha aqui representada, dirigiu os destinos de um País sem ter a mínima ideia de como isso se pode fazer!!!

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Sociedade

Família

Núcleo parental de referência, a instituição família sofreu alterações profundas no último quarto de século.
Tornou-se vulgar o conceito de família mono-parental em que um dos cônjuges, normalmente a mãe fica com a dura tarefa de educar os filhos, trabalhar para assegurar o sustento da casa, e cuidar das lides domésticas. Árdua tarefa, diria eu, que não lhe deixa espaço para cuidar da sua própria vida, e, reorganizar-se sentimentalmente, se assim o entendesse, com todos os benefícios óbvios que daí adviriam para todos.
Estas mães teriam todo direito de ser ajudadas pelo Estado, sempre que se provasse que o pai ausente não contribui de forma adequada e suficiente para proporcionar aos membros da família uma vida digna e educação. A regulação do poder paternal deve ser entendida de forma mais dinâmica e abrangente, não se cingindo a estabelecer as visitas e pensão de alimentos. Mesmo estes dois temas deviam ser revistos imediatamente a pedido de qualquer das partes.

Juventude

Que os nossos jovens representam o futuro, estamos todos de acordo. Mas sabendo isto, porque não apostamos neles, porque não lhe proporcionamos meios adequados para Educação, Formação Profissional, e integração no mercado de trabalho?
Porque não lhes facilitamos a criação de micro-empresas relacionadas com as suas áreas, porque não pomos a funcionar convenientemente todos os CACE's, sem burocracias exageradas, porque não apoiamos a criação de pólos tecnológicos ligados ás universidades e escolas, porque não se estabelecem parcerias que verdadeiramente criem novas oportunidades de emprego e desenvolvimento regional?

Violência de Género

Verdadeira chaga social, a violência no seio familiar reveste-se de um significado alarmante porquanto acontece justamente num ambiente onde era suposto prevalecerem os afectos, onde supostamente estariam a salvo de qualquer ameaça, e protegidos por aqueles que afinal um dia poderão ser os seus carrascos.
Urge então criar oportunidades aos agressores de se tratarem convenientemente, e sobretudo proporcionar às vítimas todos os meios de denúncia e socorro, sem hesitações porque a vida desta gente pode depender da prontidão da ajuda.



Natalidade

Cada dia, cada minuto, por assim dizer, assistimos ao envelhecimento da nossa população veja aqui:
http://www.breathingearth.net/

Passem o rato por cima dos países e vejam os dados da mortalidade e natalidade




domingo, 16 de agosto de 2009

Políticas de Segurança

A criminalidade violenta que tem sido notícia nos últimos dias, é sem dúvida preocupante, e não é um exclusivo nosso. Importa então tomar medidas urgentes para combater mais este problema social.
A melhor forma de atacar os problemas é fazendo uma análise cuidada do que os origina, então teremos aqui já alguns elementos fundamentais:
- Estes criminosos não falam um português correcto;
- Não lhes interessa bens "ouro ou jóias" somente dinheiro;
- Usam de extrema e desnecessária violência;
- Vigiam as suas vítimas com o objectivo de determinar os seus hábitos e rotinas, e, bem assim, o seu potencial interesse;
- Praticam actos isolados "assim parece ser", numa determinada zona, saltando de imediato fora, com o intuito deliberado de dificultar a investigação.
Em face destes vectores conhecidos não será difícil estabelecer um perfil.
Tenho para mim que se trata de estrangeiros ilegais sem paradeiro fixo, nem autorização de residência, que se movimentam livremente por toda a Europa, aproveitando a livre circulação "fronteiras abertas".
Pois então, Senhores do SEF peçam ajuda ás outras forças de segurança e fiscalizem (mas a pente fino) as fronteiras, locais onde eventualmente haja uma maior concentração de imigrantes, e peçam ajuda aos nossos vizinhos Espanhóis, que estão desde há muito empenhados em resolver o mesmo problema, e terão com toda a certeza trabalho de casa que poderá ajudar e muito.
Igualmente importante seria fiscalizar aqueles que tendo obtido documentação para permanecer no nosso país, ficaram sem os seus empregos ou por qualquer outro motivo deixaram de reunir os pressupostos que levaram a essa decisão.

Políticas de Emprego

O investimento das famílias numa formação de nível superior para os seus filhos, não encontra correspondência relativamente ás políticas de emprego desenvolvidas pelos nossos governantes. São cada vez mais os jovens com cursos universitários que não encontram colocação no mercado de trabalho, não só no que se refere às suas áreas, como mesmo em qualquer ocupação que lhes permita um mínimo de independência enquanto procuram melhores soluções. Casos há até, em que a sua formação é factor negativo na avaliação das candidaturas.
Este assunto é tanto mais preocupante, quanto é sabido que a Segurança Social subirá a idade de reforma até ao máximo, sob a escusa de uma maior esperança de vida das populações, ocultando a verdadeira razão,falta de fundos, muitas vezes resultado de má gestão.
Numa época em que o mais importante para a economia, das empresas como do estado, parece ser a competitividade e a produtividade, aliadas a uma gestão austera e responsável, não seria melhor encontrar soluções que permitissem renovar toda a estrutura, com gente muito mais bem preparada, com ideias novas, novos métodos de gestão?!
Pois então, porque continuamos a deixar que os nossos políticos e os nossos gestores actuais que já provaram não ser capazes de fazer melhor que esta lamentável pobreza encapotada, continuem a decidir o nosso futuro, e pior, a hipotecar o futuro dos nossos filhos?
É que, a verdade é só uma, esses senhores são como os sargentos despenseiros "levam a melhor parte para casa" e.. a tropa que se lixe.

sábado, 28 de março de 2009

Casa onde não há pão...

Todos ralham e ninguém tem razão.
Assim diz o ditado, e assim estamos nós cada vez mais.
Descrentes nos nossos políticos a quem um dia confiamos a difícil missão de gerir os nossos destinos, e que nos decepcionam a cada passo sejam eles de direita ou de esquerda, conservadores ou progressistas.
Corrupção, favorecimentos pessoais, jobs for the boys, direcções-gerais criadas à medida para este ou aquele político arredado das lides por mau desempenho, por incapacidade comprovada, por estar envolvido em negócios pouco claros, ou simplesmente porque perdeu o tacho numas eleições julgado pelo povo que não voltou a dar-lhe o seu voto de confiança.
Vem isto a propósito da notícia ontem avançada pela TVI, num exemplar serviço público de informar com isenção, sem servilismo e de forma absolutamente independente, como é seu apanágio, dando-nos conta do tal DVD do caso Freeport, principal prova no processo a decorrer em Inglaterra, e que por cá nem foi admitido como tal pelos iluminados, isentos e acima de quaisquer suspeitas Senhores que foram a Haia (Den Haag) na Holanda para reunirem na Europol, polícia europeia, onde lhes foi proposto criar um grupo de trabalho conjunto com os ingleses no intuito de uniformizar procedimentos e trocar informação sobre um processo de tamanha importância.
Pasmemos-nos pois porque estes tais senhores recusaram tal proposta.
Que defendem eles, de que tem medo??
Será verdade que esse dinheiro foi utilizado no financiamento do partido, e que por essa razão todos estão unidos com o único objectivo de encobrir a verdade?
Será mais fácil manobrar a justiça cá entre nós sem a intromissão desses ingleses que só querem apurar a verdade não se deixariam corromper?
O que é certo é que mesmo perante evidências, provas irefutáveis, continuamos a ouvir desculpas esfarrapadas, e tentativas de fuga prá frente...
A continuarmos assim não sei se um dia os filhos não se revoltam... fartos da falta de pão e cheios de razão!!!

domingo, 8 de março de 2009

Gestação

Processo natural de desenvolvimento, fase de grandes alterações, de vivências únicas e inexplicáveis, de enormes expectativas e de fundadas esperanças.

O amor e carinho que pusermos em cada gesto, a atenção e a dedicação que em cada momento lhe dispensarmos serão como fertilizantes naturais.

A envolvente social e sobretudo familiar assumem aqui um papel fundamental no que concerne ao ambiente calmo e despreocupado em que esta fase deve decorrer.

Gerar um ser é, sem dúvida, uma bênção, mas representa uma enorme responsabilidade.

sábado, 7 de março de 2009

Contribuição

Publicado no forum




http://nossogrupo.com.pt/cgi-bin/yabb/YaBB.pl?board=off-topic
País de Bananas
« em: 03/05/09 às 22:10:56 »

--------------------------------------------------------------------------------
A minha mãe quando jovem dizia-me: estuda filho que vem aí dias difíceis.... enfim la fui estudando até poder mas cedo tive que buscarme la vida como dizem nuestros hermanos.
Naquele tempo, no alentejo, quem não tinha formação académica e tinha cunhas tentava a sorte nas fábricas, os outros seguiam as pisadas dos progenitores e trabalhavam a terra ou guardavam o gado.
Veio a revolução e os pastores e vaqueiros tornaram-se GNR´s ou Policias, era então a grande saida.
De tal forma se generalizou a ideia de que estas eram as profissões mais convenientes que nas populações mais pequenas todos queriam, depois do serviço militar, tentar a sua sorte num destes ramos.
A mim, assutava-me essa maciva integração em quadros das forças de segurança da tal camada de gente sem saídas profissionais. Tinha até a ideia que não serviam senão para multar. Havia ainda a Guarda Fiscal que servia para nos "limpar" quando visitavamos os nuestros hermanos e nos atreviamos a trazer algo que cobiçassem. Enfim outros tempos.
Afinal o que mudou
As Mães foram dizendo ao longo dos tempos: Estuda filho, os filhos pouco estudaram, alguns até, formaram-se aos domingos, outros fizeram-se Engenheiros Técnicos sem saber como e depois então trataram dos papeis...
Os tais policias perderam regalias sociais, revoltaram-se, ainda mais, tornaram-se azedos cidadãos, de mal com a vida, são a camada socio-profissional com mais suicidios (porque será?) multam cada vez mais pra se vingarem vá-se lá saber do quê ou de quem (talvez daquela vaca gorda que um dia ao sentir-se ordenhada lhe deu uma vasculhada com o rabo na cara)
Mas sosseguemo-nos porque os outros, alguns dos tais iluminados estudaram mas um dia chegaram a directores bancários, e ao mesmo tempo que davam ordens para sacar o carrito ao Zé que se atrazou no pagamento, jogava com o dinheiro dos aforradores em negócios pouco claros que haviam de levar ambos a maldizer a hora em que a ambição lhes toldou a razão, é que as offshores até pra quem trabalha são sinónino de grande risco, que o digam aqueles que, nas plataformas sofrem pra ganhar a vida dignamente.
E, cá vamos nós sentindo que as coisas não pdoem continuar assim, afundando-nos colectivamente como se assistissemos de fora á nossa própria degradação.
Indignemo-nos pois, antes que seja tarde demais!!!



--------------------------------------------------------------------------------
A indignação é a nossa melhor ferramenta, causa algum ruído mas o resulatdo pode ser inacreditável!!!